Modelagem de Decomposição Aeróbia de Lodo de Esgoto em Solos Com Diferentes Texturas

Nome: Claudia Rodrigues Teles
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 24/09/2007
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Celso Jose Munaro Orientador
Sérvio Túlio Alves Cassini Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alessandro Mattedi Examinador Interno
Aureliano Nogueira da Costa Examinador Externo
Celso Jose Munaro Orientador
Cristiano Alberto de Andrade Examinador Externo
Gláucia da Penha Lima Examinador Interno
Sérvio Túlio Alves Cassini Coorientador

Resumo: O efeito do teor de argila sobre as taxas de produção de CO2 em diferentes fases do processo de decomposição do lodo é o tema principal deste trabalho. Solos com diferentes texturas originados de uma mesma matriz permitiram estabelecer altas correlações entre o teor de argila, biomassa microbiana e carbono orgânico total e seus efeitos sobre a produção de CO2, o que geralmente não é conseguido em experimentos similares da literatura utilizando solos de diferentes matrizes. Análises similares foram feitas para o solo seco ao ar e reumedecido e para este mesmo solo com adição de lodo anaeróbio. O uso de solos originados de uma mesma matriz e com teores de argila contrastantes evidenciou o efeito da mesma nas taxas de produção de CO2. Seu efeito se manifestou apenas nos períodos iniciais, de 15 dias para o solo (r=0,92** na primeira semana e r=0,89** na segunda semana) e de 7 dias para o solo+lodo (r=-0,77**). O efeito da dose de lodo aplicado sobre o processo de decomposição foi também investigado, aplicando lodo em substrato composto de vermiculita e areia (1:1). Foi possível determinar os limites para os quais a taxa de produção de CO2 é proporcional à dose aplicada (r=0,86** a partir do sétimo dia para as doses 0,6, 1,2 e 2,4g), e o efeito sobre as taxas de doses que causam inibição no processo de decomposição. Modelos cinéticos foram propostos para modelar a decomposição de lodo em dois substratos: ermiculita+areia e solo com diferentes texturas. Nos dois casos foram determinados modelos de primeira ordem bifásicos, no qual a fase lenta não ocorre simultaneamente à fase rápida. Os parâmetros do modelo correspondentes às fases lenta e rápida foram correlacionados à doses no primeiro caso, e teor de argila no segundo caso. Disto resultam modelos matemáticos que evidenciam o efeito destes fatores no processo de decomposição enquanto permitem prever de forma satisfatória o efeito destes fatores na produção de CO2.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910