Plataforma Interativa Multimodal para Reabilitação de Déficit Motor em Crianças com Deficiência do Desenvolvimento

Nome: Mariana Lyra Silveira
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 02/04/2019
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Anselmo Frizera Neto Orientador
Teodiano Freire Bastos Filho Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Andre Ferreira Examinador Externo
Anselmo Frizera Neto Orientador
Glauco Augusto de Paula Caurin Examinador Externo

Resumo: Crianças com Transtorno do Espectro Autista, Síndrome de Down, Paralisia Cerebral e Desordem Coordenativa Desenvolvimental tendem a possuir desordens motoras crônicas associadas à marcha e ao alcance e manipulação de objetos. Déficits no controle do equilíbrio corporal contribuem diretamente com essas debilidades, sendo um dos principais focos dos programas de fisioterapia voltados ao público infantil acometido por desabilidades desenvolvimentais. Apesar das técnicas convencionais de terapia apresentarem resultados consistentes e significativos, elas oferecem tarefas físicas repetitivas que podem se tonar monótonas e desmotivadoras ao longo do tempo. Uma forma alternativa de despertar alta motivação e criar experiências emocionais positivas consiste em utilizar jogos com finalidades clínicas. Este trabalho apresenta a proposta e o desenvolvimento de uma plataforma multimodal de jogos interativos cujo objetivo é assistir à reabilitação do equilíbrio corporal. A plataforma é composta por dois sistemas principais: sistema para rastreamento do esqueleto baseado em sensores RGB-D; e plataforma multimodal constituída por dois jogos desenvolvidos para assistir ao treinamento do equilíbrio. Testes para validar a ferramenta desenvolvida foram aplicados a um grupo de 9 crianças com desenvolvimento típico. Os resultados demonstram que a plataforma foi capaz de promover a realização de exercícios de deslocamento latero lateral e antero posterior. Dentre as crianças que realizaram os testes experimentais, até as mais novas foram capazes de compreender o propósito dos jogos e concluir todo o protocolo experimental, indicando que a ferramenta desenvolvida pode ser aplicada a um público com faixa etária de três anos ou mais. Foi constatado que um dos jogos apresentou uma taxa média de erros de 4.3% devido à ocorrência de oclusão, que consiste na obstrução por parte do próprio corpo do usuário de uma ou mais juntas corporais. Além disso, foi possível constatar que os índices para avaliação do equilíbrio propostos neste trabalho caracterizaram bem o comportamento dos participantes, sendo possível quantificar sua energia cinética e seu deslocamento dentro do ambiente de realização dos experimentos. Quanto aos aspectos motivacionais, acredita-se a tecnologia desenvolvida criou experiências emocionais positivas, uma vez que muitos participante expressaram o desejo de continuar jogando mesmo após o término do protocolo experimental.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910