Influência da Fraude e da Clandestinidade nas Perdas Técnicas de Energia Elétrica

Nome: Clainer Bravin Donadel
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 31/03/2010
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Flávio Miguel Varejão Co-orientador
Gilberto Costa Drumond Sousa Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
André Meffe Examinador Externo
Flávio Miguel Varejão Coorientador
Gilberto Costa Drumond Sousa Orientador
Jussara Farias Fardin Examinador Interno

Resumo: As perdas de energia em sistemas de distribuição vêm recebendo uma maior atenção por parte das empresas de energia elétrica de todo o mundo. Em especial, no Brasil, metas cada vez mais rígidas de perdas são estabelecidas pela agência reguladora para cada ano do ciclo tarifário. Empresas cujos índices de perdas ultrapassem os limites estabelecidos correm o risco de ter este excedente não reconhecido na tarifa, tendo que arcar com o prejuízo. Diante deste cenário é fundamental conhecer o comportamento das perdas. O primeiro passo neste sentido é apurar o nível de perdas técnicas e, por diferença a partir das perdas totais, apurar o
nível de perdas não técnicas.
Este trabalho apresenta as principais metodologias de cálculo de perdas técnicas em
sistemas de distribuição existentes, destacando o nível de informações requeridas em cada
uma. Naturalmente metodologias mais precisas requerem um maior detalhamento da rede
elétrica existente. Diante das diversas metodologias apresentadas, uma se destaca: a
metodologia apresentada por Meffe (2001), em implantação na EDP Escelsa, baseada na
utilização de curvas de carga típicas e no ajuste uniforme dos consumos feitos a partir das
medições de alimentadores e subestações.
Como aprimoramento da metodologia de Meffe (2001), é apresentado neste trabalho
um ajuste no cálculo das perdas técnicas levando em consideração diretamente informações
sobre as perdas não técnicas (comerciais). Para isso, foi proposto o uso de dados históricos de
inspeções realizadas em campo (histórico de consumidores fraudadores), tanto em
consumidores BT como em consumidores MT, para estimar as perdas não técnicas em cada
transformador e corrigir diferenciadamente o consumo dos clientes para ajustar o cálculo das
perdas técnicas. Em seguida, é proposto um novo ajuste na metodologia, de modo a
considerar em seu cálculo também a influência de consumidores clandestinos, que não estão
cadastrados na base de dados da concessionária.
Os resultados da nova metodologia são avaliados de forma comparativa com a
metodologia de Meffe, e são apresentadas as restrições de sua utilização. Foi verificado que a
base histórica de inspeções e de retirada de clandestinos deve ser confiável, pois insumos de
baixa qualidade podem prejudicar de forma significativa o resultado final.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910